O corpo humano, o mercado de consumo e a ética

21/04/2010 00:16

(Adaptado do artigo de Rizzatto Nunes, para o Terra Notícias)

Recentemente, um site de relacionamentos, do qual só podem participar pessoas consideradas "bonitas", rejeitou milhares de internautas que nele gostariam de ter entrado. (...) Na Inglaterra e também na França já há legisladores que pretendem obrigar que os publicitários sejam mais "realistas" na utilização de fotos de modelos.

(...)

Como disse um famoso médico brasileiro: "No mundo atual está se investindo cinco vezes mais em remédios para virilidade masculina e silicone para mulheres do que na cura do Mal de Alzheimer. Daqui a alguns anos, teremos velhas de seios grandes e velhos de membro ereto, mas eles não se lembrarão para que servem". (...) A busca do corpo perfeito, da forma sempre esguia e jovem, esses produtos tão bem vendidos no mercado de consumo, fez surgir um enorme mercado de reposição de "peças" humanas. (...) Os excessivos seios de silicone são colocados por um cirurgião médico, acompanhado de sua equipe com outro médico anestesista e seus assistentes. Pergunto: não há limite ético para o médico fazer tal operação? Não deve ele se negar a fazê-la e aconselhar a interessada que procure ajuda psicológica?

 

O que você acha sobre o "mercado" consumista da beleza?

Comente: O corpo humano, o mercado de consumo e a ética

Curioso

Jarbas Neto | 14/06/2010

Você sumiu do orkut e do msn...d afacul tbm...
será que te encontro aqui?

Novo comentário